Fundação Ernani Sátyro

Carta Testamento

CARTA TESTAMENTO DE ERNANI SATYRO

Exatamente dois anos antes de morrer, o ex-governador ERNANI SATYRO expôs em carta dirigida aos seus filhos, algumas providências que desejaria que fossem tomadas em caso de morte súbita.
Datada de 07 de maio de 1984, é o seguinte o texto da Carta, onde ele, inclusive, manifesta o desejo de que seus restos mortais sejam transladados para Patos.

“Em 07/05/1984

Meus Filhos:
Só tenho meeira e três filhos; desnecessário é fazer testamento. Em caso de minha morte, façam a divisão como considerarem mais conveniente. Apenas, pondero, que do dinheiro da poupança, metade é de Dedê. (D. Antonieta)
Espero que guardem de mim uma boa lembrança.
Eu, os adoro!
Em caso de minha morte, sepultem-me onde ela ocorrer, ou onde for mais cômodo para vocês. Gostaria, tão somente, que os meus restos mortais fossem levados para Patos, onde tenho dois túmulos.
Dedê deve ficar ao meu lado.
Dêem aos meus livros o destino que quiserem. Tenho arquivado muitos papéis inúteis. Guardem só o essencial, contido em pastas. Grande é o número de recortes. Prometi doá-los a Fundação José Américo, mas vocês são juízes do que deve ser doado e do que deve ficar com vocês.
Todo cuidado e carinho com a sua mãe. Ela foi o maior dom da minha vida.
Não fiquem tristes. A morte é um desfecho inevitável.

Seu pai”.

Ernani