Fundação Ernani Sátyro

Poemas

    COMPANHEIRA

A Antonietta

Aos ventos entreguei as minhas ânsias;
Os ventos passaram, as ânsias ficaram.
Aos mares entreguei as esperanças,
Que pelo menos nas cores são iguais;
As esperanças os mares as tragaram.
Aos pássaros entreguei meu canto:
Eles cantaram, mas não meu canto,
E sim o deles.
Aos filhos confiei os compromissos:
Eles disseram que já tinham os seus.
Falei aos netos:
Eles responderam
Que bastava o que os pais já lhes diziam.
Falei a meus amigos:
Tornaram-se inimigos.
Falei ao mundo:
O mundo se fechou.
Ficou só a companheira, que me disse:
– Vamos, nós ainda temos força !

    O POEMA

Fazer o poema e largar.
O poeta é como a roseira:
Só lhe cabe deixar a rosa
Desabrochar.

Fazer o poema e depois esquecer.
Eles mesmo é que tem
De viver
Ou morrer.

Fazer o poema e logo fugir.
Ele assim como o pássaro
É que tem
De voar,
De subir.

Fazer o poema
E quebrar a caneta.
Que ele mais não precise
Da tua muleta.

Mas como deixar,
Mas como esquecer,
Mas como quebrar
Caneta e fugir,
Se ainda não pude
O poema fazer,
Se ainda não pude
O destino cumprir?

SONETO

A Antonietta

Sinto que adoras ver-me recitar
Os versos de Machado a Carolina.
Nesses momentos, sempre me domina
O desejo também de te louvar.

É bem difícil, sabes, imitar
O ouro que jorrava aquela mina,
Mas, mesmo assim, bendigo a minha sina:
Se não sei fazer versos, sei amar.

Nosso recanto é o mundo recriado,
Pelos nossos três filhos prolongado.
Como a dos outros, árdua é nossa lida.

Numa parte, porém, temos mais sorte:
O Mestre o seu amor louvou na morte,
O meu amor eu louvo ainda em vida.

PENÚLTIMO POEMA

(Ao irmão brasileiro)

Como nos bares,
Este é o “penúltimo”:
– O último vira?

Como na vida,
Hoje é a véspera:
– O dia será?

Como no amor,
Agora é a promessa:
– Ela se cumprirá?

Como na sorte,
Este é o bilhete:
– O número dará?

Como no sonho,
Tudo está confuso:
– Amanhecerá?
Acordemos, irmãos,
Que os sonhos estão falhando
E os Outros já madrugam…

 

O POEMA FALHADO

Diz a Tinta à Caneta:

“Eu de mim, você vê que sou liquida: não posso construir sozinha o organismo de     um poema. Vá, ande, ajude-me!”

A Caneta à Mão:

“ E você, que pensa da vida? Acha porventura que posso andar sem o seu impulso?”
A Mão ao Cérebro e ao Sangue:
“E então! Que foi que combinamos? Já esqueceu o compromisso?”

O Cérebro e o Sangue, contristados;
“Que podemos fazer, se o poema não quer sair?”
O poema, cínico:
“Ué! Vocês querem mais do que isso?!”

LOUVAÇÃO DE MARIA

Maria, simplesmente Maria.
Nem do Carmo, nem das Dores,
Nem da Luz e nem da Guia.
Só Maria!

Nem do Céu e nem de Lourdes,
Nem sequer da Conceição,
Simplesmente só Maria:
— O resto é no coração.
Simplesmente Maria!

Nem Maria Anunciada
Nem Maria Aparecida.
Só Maria, sem mais nada,
Só Maria, toda a vida.

Só Maria,
Mas, Maria noite e dia.

ESPINHARAS, RIO DE MINHA INFÂNCIA

(Fragmento)

Todos cantam o seu rio
O meu também vou cantar,
Maior do que o Amazonas,
Só menor do que o mar
………………………….
– Fala, meu rio, fala.
Tuas nascentes vêm das mesmas serras molhadas pelos meus sonhos.
Nas tuas águas já morri afogado,
Mas aqui estou
Carregando-te nos meus braços,
Com os olhos fechados
Para não veres que estou chorando.
Não quero que fiques triste e seco,
Maltratado pelo sol,
Tuas areias ardendo,
Com o ventre generoso
Perfurado de cacimbas,
Sangrando água para todos.
Quero que corras alegre e travesso
Embora às vezes pensativo,
Como naqueles dias
Em que eu te prometia fazer de nossa cidade a Capital do mundo,
Sendo eu o rei
E tu o oceano.
Lembras as nossas conversas?
Pois vai lembrando e falando,
Mesmo quando não me ouvires mais.

  SER DEUS

Ser Deus
Ou simplesmente Ser, porque Ele é que é.
Saber sempre.
Não ter a alegria de aprender.
Ver tudo desde antes,
Não poder ver pela primeira vez.
Ser Deus – tudo conhecer,
Só não conhecer a impressão do imprevisto.
Ser Deus; ver o futuro de tal modo que amanhã já foi ontem.
Conhecimento.
Força.
É por isso que um pedaço de Deus, o filho,
De lá se desprendeu
Para ver de perto a imagem e semelhança
E participar da sua limitação.
Se me perdoasses, Deus, eu Te diria que aí foi que ficaste um Deus completo,

Na misericórdia do Teu voluntário enfraquecimento
E na Tua ânsia de novos conhecimentos.

ASPIRAÇÃO

Agora, chega!
Não quero mais emoções.
Não quero mais alegrias
Nem tristezas.
Quero apenas esperar,
Já que não pude ser.
Quero apenas testemunhar,
Já que não pude fazer.
Quero apenas…
Quero apenas…

……………………………….
Já que não pude viver